Páginas

16 junho, 2017

Despedidas...

Nunca se sabe onde está uma despedida. Até no afã do até logo pode esconder-se um nunca mais. Na frase infeliz, na simples conversa, algo pode estar morrendo, do amor ou da amizade.
Há despedidas que não são patentes. Não se lhes percebe o estalo do afastamento, que pode estar no instante de mau humor, na resposta infeliz, na alegria que não se repete ou na palavra que deixamos de dar e receber. Às vezes, está na palavra que dizemos.
Nem sempre as pessoas se separam: esgarçam-se às vezes. Viver esgarça. É algo que se afasta sem romper completamente. Também no que esgarça pode haver despedida pois, embora não haja perda de matéria, nunca mais será como antes.
Despedir-se é sutil, nem sempre aparece. Seres em mutação, vivemos a mudar sem saber. Na mudança, transforma-se em recordação o que antes era união e vontade, amizade ou convivência. Tudo faz-se retrato, álbum, caderno, poema, carta, saudade ou memória. A despedida não é por querer: acontece a despeito. Um simples "até já" pode conter inimagináveis nuncas. Ou sempres.
Maravilhosa e cruel a vida! Tudo pode acontecer. As ligações, salvo poucas, fazem-se precárias e falíveis. Nosso destino é preso a acontecimentos semicontroláveis. Ou impulsos, cansaços, e as discordâncias, são imprevisíveis. E geram despedidas antes insuperáveis. Ninguém sabe de quem se afastará. Nem quais as amizades e amores de toda a vida, nada obstante existam. Raros captam a dor que estala em cada hipótese de despedida. Separar-se contém sempre a hipótese da despedida. Por isso, uma dor sempre se infiltra em cada afastamento. Algo se assusta, escondido em tudo o que se separa. Ainda que para ir ali pertinho e logo voltar.
Quem viaja ameaça a despedida. "Partir é morrer um pouco". Dizem os franceses, e com razão. Ainda que para encontrar-se depois, quem parte arrisca despedidas. Por isso, a emoção subjacente percorre-lhe o mistério e a "região das certezas absolutas".
As grandes despedidas dão-se - contudo - sem que o percebamos. As que sabemos e sofremos não são despedidas completas, pois a saudade e a memória hão de trazer de volta o sentimento genuíno que agora causa dor. As grandes despedidas infiltram-se no cotidiano e nos atos corriqueiros de cada dia sem ser percebidas. Muitos anos depois, vamos verificar que disfarçado em dia a dia ali estavam e estalavam saudades antecipadas, vários nuncas dos quais jamais suspeitamos. Nunca se sabe onde está uma despedida. A não ser muito depois.

(Artur da Távola)



11 comentários:

  1. Oportuna sua escolha, realmente nunca sabemos qdo vai acontecer a despedida , sei bem o que é isso, estava tudo às mil maravilhas e de repente, um adeus inesperado...Doeu, o mundo desabou, mas td voltou ao normal depois de algum tempo.

    Bjss!

    ResponderExcluir
  2. Despedidas... Na vida estamos sempre nos despedindo. Da infância, da adolescência, da casa dos pais... Há despedidas doídas, outras tão necessárias... Penso que muitas fazem parte do crescimento. Mas, despedir-se com "elegância" é questão de sabedoria!
    Gostei de ler o texto e refleti da maneira como fiz o comentário.
    Bjs e bom fim de semana...

    ResponderExcluir
  3. Como me identifico com este texto!! Aconteceu-me com a minha mãe.

    Beijinhos gostei muito do texto

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, Clau.
    Excelente escolha.
    Eu li com muita atenção, no entanto, não suporto despedidas, doem demais na alma,são cruéis, nos tiram do eixo,nos colocam em lágrimas infinitas.
    Jamais gostaria de partir da vida de quem amo e ficar somente com as lembranças, principalmente, se a pessoa for maravilhosa.
    Mesmo a vida sendo cíclica, amores, e amizades, deveriam ser eternos.
    Quanta dor...
    Tenha uma excelente noite de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  5. Despedidas sempre vem de repente, quando ela vem dói muito, Clau tenha um ótimo domingo, bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderExcluir
  6. Toda despedida é dolorida, particularmente não gosto de despedidas mas o grande Artur da távola descreveu lindamente. Parabéns pela escolha amiga! Abraços, um anoitecer feliz e um amanhecer para um início de semana de muita paz e saúde. bjuss

    ResponderExcluir
  7. Olá, querida Clau!
    Li este texto com lágrimas nos olhos... me diz muito... sinto a dor de novo ao lê-lo... é bem assim!
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  8. Como viajei nesse texto agora, minha querida amiga Clau!!
    Pensei em tantas pessoas amadas e nos últimos momentos em que não sabia que estava me despedido delas...

    ResponderExcluir
  9. Olá Clau
    A despedida do meu pai e depois de dois meses a minha irmã em 2014 foi muito dolorosa, porém a confiança que eles estão com Cristo, conforta e aguardo o dia glorioso da volta de Jesus, quando viveremos para sempre com o Senhor. Bjs querida.

    ResponderExcluir
  10. Nunca sabemos o que vai acontecer de fato.
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  11. É muito triste uma despedida Clau,e esse texto diz bem o que sentimos quando perdemos alguém muito querido.
    Lindo.
    bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Real Time Analytics