Páginas

28/03/2012

Viver é desenhar sem borracha...

Morreu na noite de terça-feira (27/03) aos 87 anos no RJ, o escritor, desenhista,dramaturgo, humorista e, tradutor brasileiro, Millôr Fernandes.
Autor de muitas frases, textos e crônicas, foi um gênio da imprensa brasileira.




"O juízo final"

Chegou o miserável milionário no céu e, impacientemente, esperou a sua vez de ser julgado. Introduziram-no numa sala, noutra sala, noutra sala, até que se viu frente a uma luz ofuscante, na qual pouco a pouco foi dintinguindo a figura santa do pai dos Homens. Em voz tonitroante este, tendo à direita, Pedro, e, à esquerda, uma figura que ele não conhecia, julgou sumariamente dois outros pecadores que estavam à sua frente. E, afinal, dirigiu-se a ele: 
- Que fez você de bom na sua vida ? 
- Bem, eu nasci, cresci, amei, casei, tive filhos, vivi. 
- Ora - disse o Senhor - isso são actos sociais e biológicos a que você estava destinado. Quero saber que bondade específica e determinada você teve para com o seu semelhante. 
- Bem - disse o milionário - eu criei indústrias, comprei fazendas, dei emprego a muita gente, melhorei as condições sociais de muita gente. 
- Não, isso não serve - disse o Todo-Poderoso - essas acções estavam implícitas ao acto de você enriquecer. Você as praticou porque precisava viver melhor. Não foram intrinsecamente boas acções, desprendidas, não servem. 
O milionário escarafunchou o cérebro e não encontrou nada. Em verdade, passara uma vida egoísta, pensando apenas em si mesmo. Nunca o preocupara seu semelhante, nunca olhara para o ser humano a seu lado senão como uma fonte de lucro para as suas indústrias. Mas, de repente, lemboru-se das obras de filantropia. 
- Ah - disse, puxando uma caderneta - aqui está. Uma vez dei cem cruzeiros para uma velhinha da Casa dos Artistas, outra vez contribuí com duzentos cruzeiros para o Hospital dos Alienados e outra vez contribuí com quinhentos cruzeiros para a Fundação das Operárias de Jesus. 
- Só ? - perguntou Deus. 
- Só - disse o milionário contrafeito. 
- Josué! - gritou o Todo-Poderoso -, dê oitocentos cruzeiros ao cavalheiro aqui e que vá para o Inferno. 
Moral: Amor com amor se paga e o dinheiro com dinheiro também. 

(Millôr Fernandes,in "Pif-Paf")


6 comentários:

  1. Olá, está rolando sorteio no meu blog de uma clutch feita por mim...depois passa lá e confere.
    :D

    ResponderExcluir
  2. Clau, Millôr vai fazer muita falta, pois além de um artista maravilhoso ele foi um sábio na arte de viver.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Querida Clau,
    Fui "apresentada" ao Millôr no início dos anos 70 através do Pasquim. Maravilha! E sempre me surpreendi com ele.
    Para sorte nossa, o conhecemos; lamentamos a sua partida, mas ele se eternizou em sua obra. E a temos para nosso encantamento.
    Bjssssssssssss, quérida!
    Bela referência, ótima escolha do texto que traduz o espírito do seu criador.

    ResponderExcluir
  4. Viver é desenhar sem borracha... uma das frases dele que mais têm impacto sobre mim.

    bjkas flor.

    ResponderExcluir
  5. Millôr era, não, é genial. Corte feito à navalha.
    Grande abraço, Clau!

    ResponderExcluir

Real Time Analytics