Páginas

17/11/2011

Desacelerando...


Esqueça o trânsito caótico, a urucubaca política,
o tal balancete do final do ano.
Deixe de lado a cobrança interna, a dívida externa,
a tão eterna dúvida.
Viver é assim. Não há como negar.
Para ficar ligado é preciso saber desligar.
Fácil? Nem tanto.
Descobrir qual é o seu tempo é tarefa nobre:
Exige um grande conhecimento sobre si mesmo.
Portanto, esqueça o relógio.
Seu tempo está dentro de você.
Chega de viver com a ansiedade no colo
e o celular na mão.
Não deixe a agenda ocupar sem querer o lugar do coração.
Respeite sua hora. Desacelere. TURN OFF.
Mais do que correr, é preciso saber parar.
Não adianta viver no piloto automático e deixar de sorrir.
Nem tirar folga e levar uma enorme culpa dentro da mala.
O mundo lá fora exige produtividade e imediatismo.
Aqui dentro, corpo e alma pedem menos, muito menos.
Como fazer, então, para conciliar tempos tão diferentes?
A resposta não está nos livros, mas dentro de cada um.
Quer tentar? Respire fundo. Desencane.
Perca seu tempo com você!
É uma responsabilidade enorme desconectar-se, eu sei.
Mas vida ao vivo é pra quem tem coragem.
Coragem de arriscar. Cuidado em saber a hora certa de parar.
Difícil? Pode ser. É um exercício diário que exige confiança e
um amor incondicional por tudo o que somos e acreditamos.
Uma aceitação suave dos próprios defeitos, um rir de si mesmo,
um desaprender contínuo, um aprender sem fim sobre
o que queremos da vida.
Não importa se tudo parecer errado e o mundo virar a cara pra você.
Esqueça. Se esqueça. Hora de se perdoar. RENASÇA.
Eu sei pouca coisa da vida, mas uma frase eu sigo á risca:
É preciso respeitar o próprio tempo. E eu respeito!
Acredito no que diz o silêncio na hora em que a mente cala.
E meu silêncio - que não é mudo e também escreve -
dita com voz desafiante: Confie em si mesma. Quebre a rigidez.
Ouse. Brinque. Viva com mais leveza.
E, por favor, Desligue-se.
Só assim você vai transformar vida em letra e letra em vida.
E ter coragem e fôlego para ser VOCÊ,
no momento em que o mundo te atropelar sem licença
e disser: CHEGOU A HORA !

  (Fernanda Mello)
                     

2 comentários:

  1. Quem dera que desligar fosse uma tarefa fácil, mas com disciplina e paciência, chega-se lá.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a Néia, desligar não é fácil. Mas é extremamente necessário que façamos isto. Nem que seja com Alprazolam (mas bem depois dos cinquenta, por favor!) rssssssssssssss.
    Mas tentemos!
    Bjssssssssss quérida!

    ResponderExcluir

Real Time Analytics